A verdadeira origem de Teotihuacan (México)

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Os Maias e os Astecas foram dois povos que viveram no território que conhecemos hoje como México. Ambos são conhecidos pelas belas pirâmides, que atraem visitantes de todo o mundo. Mas há muito mais mistérios que acercam essas estruturas. A segunda maior pirâmide dessa região é a Pirâmide do Sol de Teotihuacan, que é conhecida como uma pirâmide asteca, embora sua origem não seja tão asteca assim.

Teotihuacan

A Antiga Cidade de Teotihuacan foi a cidade mais influente e reverenciada de seu tempo nas Américas. O significado de Teotihuacan é “Lugar dos Deuses” em asteca, seu nome original ainda não foi decifrado dos hieróglifos encontrados no lugar.

Acredita-se que o povo que criou Teotihuacan era contemporâneo dos Maias Clássicos (250-900 d.C.)., vivendo aproximadamente entre 100-650 d.C.

A cidade tinha controle das obsidianas, uma espécie de vidro vulcânico que era usada na cabeça de lanças e dardos. Tinham uma cultura agrícola bastante diversificada: cacau, tomate, avocado (abacate), milho etc.

Por um tempo, acreditou-se que foram os Toltecas (900-1150 d.C.) que construíram a cidade, com suas belas pirâmides da Lua e do Sol. Mas isso foi refutado quando verificaram que a civilização Tolteca é posterior ao ápice da cidade teotihuacana.

Máscara de Greenstone, Teotihucan. - Crédito:
Máscara de Greenstone, Teotihucan. – Crédito: Denny Jarvis

Os teotihuacanos eram, possivelmente, temidos militarmente e dominaram áreas além da cidade, pois vários objetos, como vasos no estilo teotihuacano foram encontrados em diferente localidades no México. Acima temos um exemplar de uma máscara mortuária feita em Greenstone 1.

Pirâmide da Lua
Pirâmide da Lua – Crédito: Mariordo

Misteriosamente, por volta de 600 d.C., essa civilização desapareceu, tendo a cidade sido queimada e parte de seus artigos e estátuas religiosas destruídas. Alguns acham que a destruição  foi  causada por uma revolução dos mais pobres contra a elite. Há hipótese de que os destruidores tenham vindo da cidade de Xochicalco ou de alguma outra cidade desesperada por recursos.

Há evidências que desde então muitos outros povos passaram por lá: Maia, Mixteca e Zapoteca.

Templo Quetzalcoatl
Detalhes das serpentes do Templo Quetzalcoatl – Crédito: Wikimapia

A cidade é composta por uma imensa avenida, que, segundo alguns estudiosos, pode ter sido muito mais extensa do que é hoje: a Avenida dos Mortos, ou em asteca, Miccaotli. Nessa avenida, há a cidadela, o mercado e, é claro, as Pirâmides do Sol e da Lua e o Templo de Quetzalcoatl.

A Pirâmide do Sol data de 100 d.C., a Pirâmide da Lua de 150 d.C. e o Templo de Quetzalcoatl (que também tem forma piramidal) é de 200 d.C.

E isso não é tudo. É impossível falar em um só texto como foi a vida asteca nesse lugar, o que eles pensaram da monstruosa cidade quando encontraram Teotihuacan e contar de seus rituais (cheios de sacrifícios – imaginem uma risada maquiavélica) e a chegada dramática dos europeus. Mais adiante, num próximo post, que venham os astecas!

  1. Greenstone, ou pedra verde, é um termo usado para uma variedade rochas ígneas comuns metaformizadas na cor verde, usadas por culturas antigas para diversos artefatos, desde jóias a ferramentas de rituais. São comumente usadas pedras como jade, olivina, xisto verde entre outras. (Kipfer, B. “Greenstone”. Encyclopedic Dictionary of Archaeology. New York: Kluwer Academic/Plenum Publishers, 2000, pp. 217–218.)
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter