Like a Wrecking Ball… Como Júpiter mudou o Sistema Solar

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Uma das principais questões da astronomia contemporânea é o porquê não encontramos outros planetas exatamente como a Terra. Pesquisadores da Universidade da Califórnia mostram que o responsável por isso pode ser Júpiter 1 .

Júpiter
O Planeta Júpiter. Crédito: NASA

Nos últimos anos, observações têm demonstrado que um sistema planetário típico é formado por poucos planetas, maiores que a Terra e que orbitariam suas estrelas a uma distância muito menor do que os planetas do sistema solar. Esses planetas, denominados de superterras, completam suas órbitas em torno de suas estrelas em poucos dias ou meses, enquanto que no nosso sistema, o planeta com a menor órbita, Mercúrio, leva 88 dias para dar uma volta em torno do Sol.

Kepler69c
Kepler69c, uma superterra com tamanho 70% maior que o da Terra. Crédito: NASA

Em resumo, a configuração planetária que encontramos no Sistema Solar parece ser bastante rara, se não única. Um estudo recente indica que isso se deve ao papel que Júpiter teria tido na sua formação.

A formação de gigantes gasosos como Júpiter são relativamente raras, mas quando ocorrem, o planeta gigante tende a migrar em direção ao centro do sistema planetário e termina em uma órbita próxima daquela que a Terra ocupa hoje.

Dessa forma, quando Júpiter foi formado, ele teria começado a se aproximar do Sol. Esse movimento teria feito com que objetos rochosos em órbitas curtas começassem a se chocar e gerado uma reação em cadeia, responsável por empurrar qualquer planeta ou superterra existente nessa região em direção ao Sol.

Em algum momento, a formação de Saturno teria puxado Júpiter para trás e permitido que novos planetas se formassem entre o gigante gasoso e o Sol a partir dos restos da destruição causada por sua aproximação.

Esse modelo também seria consistente com as evidências de que os planetas internos do nosso Sistema Solar são mais novos do que os gigantes externos.

  1. Os estudos podem ser encontrados em http://www.pnas.org/content/112/14/4214 e http://www.pnas.org/content/113/8/2011.full
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter