4 galáxias que podem ser observadas a olho nu

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Embora existam milhares de fotografias de galáxias pela internet, poucas delas podem ser observadas a olho nu. Elas são quatro ao todo. Sim, apenas quatro. A Via Láctea, as duas Nuvens de Magalhães e a galáxia de Andrômeda. Todas as demais só podem ser enxergadas com o auxílio de um telescópio. Algumas apenas pelos telescópios espaciais, como o Hubble.

Via Láctea
via-lactea
Crédito: Bruno Gilli/ESO

A  Via Láctea é onde a Terra e todos nós nos encontramos. É possível, em regiões de pouca luminosidade, enxergar uma parte considerável de nossa galáxia. Essa fotografia foi feita no Chile.

A maior parte das pessoas sabe que é por conta de seu aspecto parecido com um rastro de leite que ela ganhou o seu nome. Entretanto, o que poucos sabem é que o próprio termo galáxia está relacionado a essa visão. Do grego galáxias kyklos, ou círculo de leite, a palavra era empregada originalmente para se referir a própria Via Láctea. Ao contrário dos romanos que imaginavam nossa galáxia como uma estrada leitosa (via lactea), os gregos imaginavam que ela seria um círculo.

As Nuvens de Magalhães
As Nuvens de Magalhães
Crédito: S. Deiries/ESO

Entre as demais, estão aquelas conhecidas como Grande Nuvem de Magalhães e Pequena Nuvem de Magalhães. Esses nomes se devem ao fato de um dos primeiros relatos europeus sobre elas ter ocorrido durante a famosa viagem de circum-navegação do mundo liderada por Fernando de Magalhães. O cronista da frota, Antonio Pigafetta escreveu a respeito delas em seu diário:

 

O Pólo Antártico não tem as mesmas estrelas que o Ártico. Vêem-se ali duas aglomerações de estrelinhas luminosas que parecem pequenas nuvens, a pouca distância uma da outra”.1

 

Essas duas formações são consideradas galáxias satélites da Via Láctea. Elas se encontram a uma distância de 75 mil anos luz e já foram consideradas as galáxias mais próximas da Terra. Isso mudou em 1994, quando foi descoberta a Galáxia Anã Irregular de Sagitário a 70.000 anos luz de distância (que, por sua vez, também já foi desbancada pela Galáxia Anã de Cão Maior).

As nuvens de Magalhães só podem ser observadas no hemisfério sul.

Andrômeda
andromeda - terra
Crédito:  John Morris

A última galáxia que podemos observar da Terra a olho nu é Andrômeda, também conhecida como M31, ou Messier 31. Esse título se deve ao fato dela ser o objeto de número 31 no catalogo astronômico publicado por Charles Messier em 1771.

A “apenas” 2,3 milhões de anos-luz de distância, ela é o objeto mais distante que podemos enxergar da Terra a olho nu. Ela também é a maior galáxia de nosso grupo local (um grupo de 54 galáxias com o centro gravitacional localizado entre a Via Láctea e Andrômeda).

É mais fácil visualizar Andrômeda do hemisfério norte, como na fotografia, que foi feita nos Estados Unidos, no estado da Califórnia. Ela se encontra no canto superior esquerdo da imagem, parecendo, à primeira vista, apenas uma estrela mais forte que as demais.

 

  1.  O texto original em italiano, com uma tradução para o inglês da obra pode ser encontrado no Archive.org. Uma tradução em português foi disponibilizada pela LP&M Pocket em 2005, com o título A primeira viagem ao redor do mundo – O diário da expedição de Fernão de Magalhães .
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter
  • Maicon Dantas

    Ficou faltando a M33