Minerais direto da brilhantina: Os Fluorescentes!

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Não sei se ainda está na moda, mas os jovens sempre saem na “night” (para os cariocas) ou balada (para os demais), fazendo das cores e tintas fluorescentes uma marca registrada.

Mas já imaginou que você poderia fazer um colar ou um anel fluorescente?! Pois bem, há rochas que brilham no escuro e vamos mostrar algumas delas.

Minerais fluorescentes

Todos minerais podem refletir a luz, é assim que eles se tornam visíveis aos nossos olhos. Mas alguns possuem fluorescência. Como isso funciona? O mineral absorve uma quantidade luz e libera essa pequena quantidade com um comprimento de onda diferente. Isso faz com que vejamos a pedra numa coloração diferente durante um tempo. A variação de cores é maior na presença da luz ultra-violeta no escuro, luz essa que não é visível ao homem.

Fluorita, calcita e xilita (usada para obtenção de tungstênio).
Fluorita, calcita e xilita (usada para obtenção de tungstênio) sob a luz visível. Crédito: Parent Géry/ CC3.0.

Simplificando: A fluorescência pode acontecer na presença de luz ultra-violeta, raio-x ou raio catódico. Nesses casos, o elétron do átomo do mineral, que mais está susceptível,  sai de sua órbita para a de cima e, quando retorna, libera energia em forma de luz.

Fluorita, calcita e xilita (usada para obtenção de tungstênio)
Fluorita, calcita e xilita (usada para obtenção de tungstênio) sob a luz ultra-violeta. Crédito: Parent Géry/ CC3.0.

Animadores de festa: Apenas 15% dos minerais têm essa propriedade, a fluorescência. Ela acontece na presença de certas impurezas, conhecidas por “ativadores”. Os ativadores geralmente são cátions como tungstênio, boro, titânio etc. Alguns elementos raros como európio e térbio podem contribuir para a fluorescência. Cristais que tenham impurezas ou defeitos estruturais podem fazer parte do time.

Não vai ter glamour: Cobre e ferro têm efeito contrário na fluorescência, podendo até inibi-la completamente.

Colorido: Muitos minerais apresentam uma cor na fluorescência, outros várias cores. Ou cores diferentes sob a onda curta e longa da luz ultra-violeta.

Torbenite sob UV
Torbenite é uma rocha radioativa que possui a cor verde em luz visível a nós, humanos. Aqui temos uma imagem dela sob luz ultra-violeta. Crédito: Parent Géry/ CC3.0

Primogênito: A primeira vez que observaram esse fenômeno foi num mineral chamado fluorita, que  na ausência de luz visível, apresentava uma luz azul-violeta em ambos comprimentos de onda. Apenas alguns tipos podem ficar creme ou branca.

Quem faz parte do time: Alguns exemplos que podem possuir fluorescência: fluorita, calcita, diamante, willemita, âmbar, torbenite, opala e, até mesmo, os corais (eles têm calcita na sua composição).

Coral fluorescente.
Coral fluorescente. Crédito: Daderot/ CC1.0.

 

LET IT SHINE!

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter