Nossa emissão de carbono causará danos irreparáveis nos próximos 10 mil anos

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Cientistas avaliaram recentemente que a taxa de emissão de carbono que nós temos liberado cause danos irreparáveis a Terra nos próximos 10 mil anos.

Se antes os pesquisadores focavam nos marcadores da mudança climática, como aumento do nível dos oceanos, hoje o foco são as consequências no longo prazo. Publicado esse ano (2016) na Nature Climate Change, esses estudiosos falam que os resíduos da queima de combustíveis fósseis, como o carbono, perdurarão na terra por milhares de anos, sendo que alguns poderão ficam entre nós por mais de 100.000 anos.

De todos os impactos avaliados, o mais determinante são os níveis dos oceanos. No estudo da Nature Climate Change, avaliaram quatro diferentes cenários com diferente elevações de temperatura, sendo o mais baixo com a elimação do uso de produto fósseis em poucas décadas, os dados foram mais alarmantes.

Se antes falavam que no ano de 2.100 os oceanos aumentariam 1 metro, nesta nova pesquisa, no cenário de temperatura baixa, com aumento de 2C° , os níveis aumentariam 25 metros, eventualmente. E com o aumento de 7C°, 50 metros dentro dos próximos  séculos. Isso afetaria pelo menos 20% da população mundial.

Iceberg derretendo
Crédito: littlevisuals.co

Enquanto o carbono estiver provocando o aquecimento, que poderá durar séculos ou um milênio inteiro, tais níveis vão continuar a subir. Hoje isso ainda não nos afeta tanto, mas impactará de forma bruta as próximas gerações.

O ideal seria que a emissão de carbono reduzisse a zero ou mesmo a números negativos, se possível quanto antes. Investindo cada mais em fontes de energia limpa.

Nesses últimos 50 anos, segundo Thomas Stocker, os humanos conseguiram mudar o clima em escala global, alterando a condição de vida de todos nos séculos adiante, criando uma nova era geológica.

Mas é nesse momento que repito o pensamento da nossa grande “presidenta”: Como vamos estocar vento?

Veja mais aqui: http://www.nature.com/nclimate/journal/vaop/ncurrent/full/nclimate2923.html

Imagem destacada – Crédito:  Seño Codo / CC 2.0

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter