Por que meu cachorro gira tanto para fazer cocô?

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

A vida não é fácil para ninguém, tem gente que não consegue escolher o que jantar, agora imagine você ter que girar e girar até escolher uma boa posição para, digamos, se aliviar?!

Pois bem, nossos cãezinhos fazem isso o tempo todo, seja para o número dois  ou para o número um. E seu eu dissesse que há algo maior por trás disso?! Não, não é nenhum tipo de deus cachorro, mas o CAMPO MAGNÉTICO da Terra!

(No vídeo acima, nossa pug-mascote, a Polly, demonstra como os doguinhos encontram um lugar especial para fazer suas necessidades)

Em 2013, na Frontiers in Zoology,  foi publicado um estudo mostrando que os cães alinhavam seus corpos no eixo norte-sul da Terra. Esses animais seriam “magnetossensíveis”.

E haja saquinho para recolher tanta merda… Porcaria?! Foram observados quase 1.893 evacuações e 5.582 xixis. Esses cientistas realmente colocaram a mão na massa!

Os pesquisadores perceberam que nossos caninos aboliam esse comportamento em alguns  momentos, afinal de contas, o campo magnético não é estável na maior parte do dia.

Representação do Campo Magnético da Terra
Representação do Campo Magnético da Terra. Crédito: WikiMedia Commons/CC 1.0

Já durante o tempo mais estável do campo magnético, que representa 20% do período com luz do dia, essas 70 fofuras, quer dizer, os cães participantes deram preferência pela escolha do eixo norte-sul.

Esses cientistas alemães e tchecos afirmam que observar o período de estabilidade do campo magnético foi fundamental e que isso abre portas para novos estudos (também em outros animais). Pesquisas anteriores não tiveram resultados satisfatórios, pois não podiam ser reproduzidas, já que não levavam essa variação do campo em consideração.

E agora surge uma nova pergunta: por que os cães têm a influência do campo na hora de ir ao banheiro???

Isso eles ainda não tiveram a resposta. Mas que vai ter gente falando ou criando feng shui para cachorro, ah vai!

Baby Pug
Crédito: Kinjeng Submiter/CC 2.0
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter