Réptil similar ao mamífero coexistiu com outros mamíferos

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

O tritilodonte é um animal que acredita-se ligar a evolução dos répteis para mamíferos. Até então, achava-se que eles tinham sido extintos antes de terem convivido com alguns mamíferos. Mas uma descoberta de vários dentes no Japão de uma nova espécie de tritilodonte mostrou algo diferente. Chamaram essa espécie de Montirictus kuwajimaensis.

Mas dentes? Só dentes? Dentes podem revelar mais do que se imagina, por exemplo como era a vida com os mamíferos. Os tritilodontes coexistiram com primeiros mamíferos por milhões de anos, destruindo a ideia de que eles desapareceram assim que surgiram os mamíferos.

Tritilodonte
O Tritilodonte Montirictus kwwajimaensis. Crédito: Seishi Yamamoto/Hiroshige Matsuoka.
Os tritilodontes

Já acharam que eles eram mamíferos, mas por apresentar características residuais de répteis, descartaram essa possibilidade. São conhecidos como proto-mamíferos ou répteis similares a mamíferos, até pelos acredita-se que eles tinham. Fazem parte do grupo dos cinodontes.

Essa espécie era herbívora, seus dentes tinha uma formação única que se cruzavam na mordida. Apesar de terem sangue quente, eles são considerados répteis porque na sua mandíbula tinha um osso que os mamíferos usam para audição. Esses seres foram os últimos répteis similares a mamíferos antes de evoluções importantes, como a da audição desenvolvida!

Os dentes dessa nova espécie apresentava três linhas com sequências de 2-3 pontinhas, os cientistas tiveram que avaliar tamanho e forma, por exemplo, para descobrir se era ou não uma nova espécie.

Lembrando: A Era Jurássica ocorreu há mais ou menos 205 a 145 milhões de anos, é tempo, né?!

Além dos 250 dentes de tritilodonte, na cidade de Kuwajima, no Japão, foram encontrados fósseis de tartarugas, plantas, alguns mamíferos, peixes e lagartos.

Apesar de ser a primeira vez encontrado no Japão, o tritilodonte se espalhou por todo mundo e viveu na era Jurássica. Acredita-se que eles viveram 30 milhões de anos a mais do que os pesquisadores pensavam. Antes diziam que esses animais deveriam ter desaparecido no final do período Jurássico, morrendo devido a competição pelo alimento com os mamíferos da época. Mas o Montirictus kuwajimaensis foi datado do início do Período Cretáceo, que vai de mais menos de 145 a 66 milhões de anos atrás.

A equipe acha que Kuwajima ainda ajudará a encontrar novas espécies. Aguardamos por novidades!

Fonte: http://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/02724634.2016.1112289

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter