Transtorno de raiva pode estar ligado a Toxoplasmose

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Estudo publicado pelo Journal of Clinical Psychiatry, em 23 de março de 2016,  mostrou que número de pessoas com transtorno explosivo intermitente é duas vezes maior entre aqueles que apresentam infecção latente pelo parasita da Toxoplasmose, ou seja, uma infecção na qual a doença não se manifesta.

O Transtorno

O Transtorno Explosivo Intermitente (TEI), conhecido também como síndrome do “pavio curto”, é caracterizado por reações de impulsos agressivos incontroláveis. As pessoas com TEI  geralmente tem ataques de fúria e de agressividade, é muito comum vê-las berrarem, xingarem, avançar sinais de trânsito e mesmo chegarem a violência física, em casa ou no trabalho. Mas o fato é que não conseguem avaliar a consequência de seus atos, tanto para si quanto para os outros. No entanto, eles se sentem culpados, tristes e arrependidos.

A Toxoplasmose
Cisto tecidual de T. gondii
Cisto tecidual de T. gondii na forma de brandizoitos. Crédito: D. Ferguson, Universidade de Oxford.

A toxoplasmose é uma doença parasitária transmitida pelo Toxoplasma gondii.  Este parasita pode ser encontrado em carnes cruas e, principalmente, em fezes de gatos e outros felinos.

Esse protozoário se reproduz nas fezes dos felinos e pode contaminar toda cadeia de alimentação até chegar em nós, humanos, através de carnes cruas, vegetais crus, água contaminada e utensílios que tiveram contato com o parasita.

Apesar de ser considerada uma doença inofensiva e não ser passada de humano para humano, as grávidas precisam de uma atenção especial. A toxoplasmose pode ser passada de mãe para filho, podendo ser associado a abortos e defeitos congênitos.

Geralmente é uma doença assintomática, mas há estudos feitos em humanos que conectam a doença a casos de esquizofrenia ou mesmo acidentes de trânsito.

O Estudo

Raiva

A Universidade de Chicago avaliou 358 adultos e demonstrou que seus níveis de impulsividade e agressividade estavam ligados a infecção de toxoplasmose.

Os participantes foram dividos em três grupos aleatórios e o resultado do diagnóstico foi: 1/3 do grupo não apresentou nenhum problema psiquiátrico;  1/3 apresentou TEI; e os demais apresentaram algum transtorno de personalidade ou psiquiátrico (depressão ou ansiedade, por exemplo) que não o TEI.

Foram feitos exames de sangue nos participantes para investigarem alguma antiga infecção do tal parasita.

O que se viu foi que em pacientes com TEI o índice de infecção foi maior do que em que não apresentavam.

O grupo de pacientes com TEI infectados com toxoplasmose (22%) era duas vezes maior que o grupo sem problemas psiquiátricos (9%).  Já o grupo que apresentava algum transtorno diferente de TEI com infecção pelo parasita representava 16,7%.

As pessoas infectadas apresentavam níveis maiores de agressividade e impulsividade. É possível relacionar a toxoplasmose e agressividade, no entanto, ainda é muito cedo para dizer que a infecção pelo T. gondii é uma das causas do aumento agressividade ou mesmo do TEI. Ainda assim, não se sabe o mecanismo de ação do parasita: algum tipo de resposta inflamatória, regulação direta no cérebro feita pelo parasita etc.

Não é primeira vez que fazem estudos para correlacionar doenças psiquiátricas com toxoplasmose. Esses cientistas acreditam que é necessário aprofundar mais as pesquisas em humanos, seu próximo passo será o averiguar se o tratamento da toxoplasmose latente reduz a agressividade. E eles lembram, isso não é motivo para abandonar seu gatinho! Afinal, correlação não é causa!!

Fonte: http://www.psychiatrist.com/jcp/article/pages/2016/v77n03/v77n0313.aspx

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter